PROMOÇÃO REDE SKY

PROMOÇÃO REDE SKY
PARCERIA NOS EVENTOS

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !
Aulas durante a semana e aos sábados!

TEMPO EM JATAÚBA - PE

quinta-feira, 30 de setembro de 2021

SOCIALISMO/DITADURA: Pobreza atinge 94,5% da população da Venezuela, diz estudo

 O levantamento foi realizado pela Universidade Católica Andrés Bello, a Ucab; é o maior índice registrado no país desde os anos 1970




Um estudo da Universidade Católica Andrés Bello, a Ucab, divulgado nesta quarta, 29, mostra que 94,5% da população da Venezuela hoje vive na pobreza, diz a Crusoé.


É o maior índice registrado no país produtor de petróleo desde os anos 1970. O número é pior que o do Afeganistão, onde o grupo terrorista Talibã tomou o poder em meados de agosto. Nesse país da Ásia Central, 72% da população é considerada pobre.


O problema também foi impulsionado pelas medidas adotadas pelo governo de Nicolás Maduro para combater a propagação da covid-19, como a paralisação de parte setor produtivo, conforme a pesquisa. A Venezuela adotou um esquema de 7 dias de quarentena seguidos de 7 dias de abertura. 


O país latino apresenta um elevado número de desempregados, com 8,1 milhões de pessoas vivendo nessa situação no país. Desse total, 3,6 milhões desistiram de procurar emprego, enquanto 1,5 milhão são mulheres que não conseguem trabalhar por conta das atividades maternas


Entre 2014 e 2021, o emprego formal na Venezuela caiu 21,8 pontos percentuais, isto significa 4,4 milhões de postos de trabalho a menos. Com isso, as disparidades entre os empregos do setor público e privado se ampliaram. Entre os trabalhadores do setor privado, 58% estão em condição de extrema pobreza, enquanto no setor público são 75%.

Os pesquisadores apontam que o problema da pobreza poderia ser menor se não houvesse o colapso da produção de petróleo no país. A medida resultou no impacto na entrada de divisas, de 90 bilhões de dólares em 2012 para 5 bilhões em 2020.

MENOS CRIANÇAS, MENOS ESCOLAS 


Dados da Pesquisa de Condições de Vida também mostraram que pelo menos 340.000 crianças deixaram de nascer na Venezuela nos últimos 5 anos. A redução de nascidos já mostra impacto na população do país, que diminuiu 1,1% no período, totalizando 28,7 milhões.

Segundo os pesquisadores, essa redução está relacionada a alguns fatores, como o impacto da migração, com os venezuelanos buscando asilo em outros países, e do aumento da mortalidade infantil no país, chegando a 25,7 por cada 1.000 nascidos vivos.


A educação infantil também foi afetada pela crise venezuelana, seguida pela pandemia. A cobertura educacional caiu 5 pontos no último ano e quase metade das crianças deixaram de ter acesso à educação básica. A Venezuela é dos poucos países da América Latina que não retomaram em nenhum momento, desde o início da pandemia, as aulas presenciais.



Veja abaixo tudo sobre esse levantamento;


Crusoé 
Blog do Alberto Barbosa

Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio

0 comentários:

Postar um comentário