Promoção Magazine Luiza e Você

REDE FÁCIL CONSTRUÇÃO JATAÚBA

REDE FÁCIL CONSTRUÇÃO JATAÚBA
1° FEIRÃO DO ANO

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !
Aulas durante a semana e aos sábados!

APOIO: REDE SKY

APOIO: REDE SKY
PARCERIA NOS EVENTOS

TEMPO EM JATAÚBA - PE

quinta-feira, 26 de julho de 2018

LAMENTÁVEL: ESTUDANTE PERNAMBUCANA É MORTA POR DITADOR AMIGO DE LULA, NA NICARÁGUA, CARRO FOI METRALHADO

Raynéia Gabrielle Lima, de 31 anos, nascida em Vitória de Santo Antão - Foto: Reprodução / Facebook
Daniel Ortega, o ditador nicaraguense apoiado por Lula e pelo PT, assassinou uma estudante brasileira.
Diz a Folha de S. Paulo:
A estudante de medicina Raynéia Gabrielle Lima, 31, foi morta a tiros na noite dessa última segunda-feira(23), em Manágua”.
O assassinato, divulgado pela imprensa local, foi confirmado pela Embaixada do Brasil na Nicarágua. Estudante da Universidade Americana, Lima teria sido metralhada. (…).
Segundo a Coordenadora Democrática, que reúne estudantes universitários que participam dos protestos, Raynéia voltava para casa quando seu carro foi metralhado perto do Colégio Americano, por paramilitares que tomaram o campus da Universidade Nacional Autônoma da Nicarágua (…).
A Unan era um dos principais focos das manifestações contra Ortega. “No último dia 13, policiais e paramilitares iniciaram uma ofensiva contra as trincheiras montadas pelos estudantes-dois deles morreram com tiros na cabeça.
O Ditador Daniel Ortoga, que é amigo de Lula e defendido pelo PT,  mandou metralhar o carro da estudante. 

O Antagonista/Folha S. Paulo

Itamaraty chamou, para consultas, o embaixador brasileiro na Nicarágua, Luís Cláudio Villafañe Gomes Santos. A decisão ocorre após a morte de uma universitária brasileira nesta segunda-feira (23) na capital Manágua. Nesta terça a embaixadora da Nicarágua no Brasil, Lorena Del Carmen, também foi convocada para prestar esclarecimentos. Ela esteve no Itamaraty em reunião com o subsecretário de América Central e Caribe, Paulo Estivallet.
A estudante brasileira Raynéia Gabrielle Lima foi morta, na noite de segunda-feira (23), com um tiro no peito que, segundo o reitor da Universidade Americana (UAM), Ernesto Medina, foi disparado por um "um grupo de paramilitares" no sul da capital Manágua

Mais cedo, o governo brasileiro já havia manifestado indignação e exigido que autoridades nicaraguenses mobilizem todos os esforços necessários para identificar e punir os responsáveis pelo assassinato da estudante. No texto, o governo ainda condenou “o aprofundamento da repressão, o uso desproporcional e letal da força e o emprego de grupos paramilitares em operações coordenadas pelas equipes de segurança” e repudiou a perseguição a manifestantes, estudantes e defensores dos direitos humanos.

Milhares de estudantes foram as ruas, protestarem contra a morte de centenas de jovens, incluindo a pernambucana. (Veja Vídeo).


Crise

Nicarágua vive uma crise sociopolítica com manifestações que se intensificaram, desde abril, contra o presidente Daniel Ortega que se mantém há 11 anos no poder em meio a acusações de abuso corrupção. A repressão aos protestos populares já deixou entre 277 e 351 mortos, de acordo com organizações humanitárias locais e internacionais.
O assassinato da estudante brasileira ocorreu horas depois de Medina participar de um fórum no qual disse que o crescimento econômico e a segurança na Nicarágua antes da explosão dos protestos contra Ortega em abril "era parte de uma farsa" porque "nunca houve um plano que acabasse com a pobreza e a injustiça".
Em entrevista a uma emissora de TV local, o retior da UAM acrescentou que as forças paramilitares “sentem que têm carta branca, ninguém vai dizer nada a eles, ninguém vai fazer nada. Eles andam sequestrando e fazendo batidas".
O governo de Daniel Ortega foi acusado pela Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e o Escritório do Alto Comissário das Nações Unidas para os Direitos Humanos (Acnudh) pelos assassinatos, maus tratos, possíveis atos de tortura e prisões arbitrárias ocorridas em território nicareguense.

Folha de Pernambuco.


IML da Nicarágua não detalha tipo de bala que matou brasileira

Amigos, personas conmovidas y médicos organizaron un plantón en la rotonda Jean Paul Genie de Managua por la muerte violenta de la estudiante de medicina Raynéia Gabrielle Lima.
Amigos, pessoas comovidas e médicos organizaram um protesto na rotatória de Jean Paul Genie, em Manágua, pela morte violenta da estudante de medicina Rayneia Gabrielle Lima. Foto: Oscar Sánchez

O Instituto de Medicina Legal de Manágua não detalhou que tipo de bala foi usado para matar a estudante brasileira(pernambucanaRaynéia Gabrielle Lima, informa Uriel Velásquez, repórter do jornal nicaraguense El Nuevo Diario.

Ficou determinado que a causa da morte foi um ferimento por projétil de arma de fogo no tórax e abdome”, relatou o boletim do IML sobre a morte.

Segundo Velásquez, fontes médicas do hospital militar onde Raynéia foi atendida dizem que foi munição de alto calibre, do tipo usado por grupos paramilitares.

Os grupos paramilitares, não custa relembrar, defendem o regime repressivo de Daniel Ortega, que já matou pelo menos 360 pessoas em protestos –e a quem, recentemente, o PT reiterou seu apoio.

O Antagonista

Jornal El Nuevo Diario

https://www.elnuevodiario.com.ni/nacionales/470447-bala-alto-calibre-mato-brasilena-nicaragua/
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio