Promoção Magazine Luiza e Você

PREVINA-SE!

PREVINA-SE!
NOSSO BLOG APOIA ESSA CAUSA

ELEIÇÕES 2018 AO VIVO

REDE FÁCIL CONSTRUÇÃO JATAÚBA

REDE FÁCIL CONSTRUÇÃO JATAÚBA
1° FEIRÃO DO ANO

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !
Aulas durante a semana e aos sábados!

APOIO: REDE SKY

APOIO: REDE SKY
PARCERIA NOS EVENTOS

TEMPO EM JATAÚBA - PE

sexta-feira, 18 de maio de 2018

Após 6 meses, corpo de paraibana morta em voo da AirFrance deve chegar ao Brasil


Segundo o advogado da família, a previsão é que o corpo chegue no próximo sábado (19).
Após quase seis meses, o corpo da paraibana Flávia Luzia da Silva, de 38 anos, que morreu durante um voo da Air France, deve chegar à João Pessoa. Flávia faleceu no dia (3) de dezembro de 2017, após passar mal no dentro da aeronave, que seguia do Brasil para a França. Sua família, no entanto, soube do ocorrido apenas no dia (22) de dezembro.

De acordo com o advogado da família de Flávia, Marcelo Galvão Serafim, o corpo deve chegar ao aeroporto de Recife na noite do próximo sábado (19). Após os tramites, seguirá em carro funerário para João Pessoa. 

A previsão é que os restos mortais da paraibana cheguem à capital na madrugada do domingo (20). Estarei indo para Recife no sábado de manhã para cuidar de tudo. O corpo será trazido em um avião comercial da TAP e deve chegar em Recife as 20h45, horário de Brasília, de acordo com o consulado do Brasil em Paris”, afirmou Marcelo.

A primeira tentativa de trazer o corpo da paraibana para o Brasil foi através de um pedido à União. A família chegou a ganhar uma liminar, que foi derrubada após recurso. A união recorreu e por alguns motivos, entre eles, a falta de previsão sanitária e infelizmente Nossa liminar foi derrubada”, relatou o advogado.

Após a queda da liminar, a família descobriu a existência de um seguro, vinculado à empresa na qual Flávia comprou a passagem aérea. O advogado tentou, então, entrar em contato tanto com a empresa, quanto com a seguradora. Entramos em contato com eles para que custeassem o translado funerário. Eles disseram que não poderiam fazer nada e que o número do voucher que informamos não existia”, contou.
Enquanto as tentativas de conseguir o custeio do translado corriam, a família de Flávia realizava campanhas de arrecadação. Com o dinheiro apurado, somado à quantia de 800 euros, encontrados junto ao corpo, a família conseguiu pagar as despesas para trazer o corpo da paraibana. Com a chegada do corpo eu vou ter acesso à documentação relativa à todo o gasto e, a partir de então, pretendemos entrar com uma ação judicial contra a empresa e a seguradora”, disse o advogado da família. O corpo será translado pela TAP.

Portal Correio
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio