Promoção Magazine Luiza e Você

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !
Aulas durante a semana e aos sábados!

PROMOÇÃO NOVEMBRO AZUL!

REDE SKY! APOIO NA TRANSMISSÃO FESTA DE SÃO SEBASTIÃO 2018

REDE SKY! APOIO NA TRANSMISSÃO FESTA DE SÃO SEBASTIÃO 2018
APOIO NA TRANSMISSÃO FESTA DE SÃO SEBASTIÃO 2018 EM FULL-HD

TEMPO EM JATAÚBA - PE

quinta-feira, 8 de junho de 2017

Prefeitura de João Pessoa é condenada pela justiça do trabalho por não pagar FGTS a Agente Comunitário

Resultado de imagem para TRT-PB

A "Segunda Turma de Julgamento do Tribunal do Trabalho da Paraíba (13ª Região), acompanhando a relatoria, condenou o Município de João Pessoa a pagar a ex-servidora que ocupava o cargo de agente comunitário de saúde, adicional de 1/3, em dobro, de férias e parcelas referentes ao FGTS no período de 2006 a 2015".


No Recurso Ordinário, a reclamante alegou que, com a transmudação do regime jurídico de celetista para estatutário, houve a extinção do contrato de trabalho, mas o Município teria se negado a emitir as guias de saque do FGTS.


A reclamante também pleiteou danos morais, afirmou que nunca recebeu suas férias anuais e postulou seu pagamento de forma dobrada, bem como do terço constitucional respectivo. Requereu, ainda, que fossem comprovados, pelo Município, os recolhimentos previdenciários realizados durante o período trabalhado, ante o reconhecimento do vínculo empregatício.

Resultado de imagem para TRT-PB


Em análise dos pedidos realizados, o relator do processo nº 0130048-71.2015.5.13.0022, desembargador Edvaldo de Andrade, observou que restou reconhecida a validade do contrato, e, como não foi demonstrado pelo município o recolhimento do FGTS, a trabalhadora faz jus aos depósitos desde a data da sua admissão (2006) até o ajuizamento da ação (2015), com as deduções dos valores devidamente comprovados em juízo.


Sobre a questão do dano moral, o relator disse que, a par dos contratempos que a autora possa ter vivenciado, não se vislumbra que os fatos se constituam em prática vexatória e humilhante, com atingimento da honra ou sua reputação como cidadã e trabalhadora, de tal forma a ensejar uma indenização por dano moral.

Clique aqui e confira o conteúdo 

ASCOM - Redação com TRT-PB




Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio