Promoção Magazine Luiza e Você

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !
Aulas durante a semana e aos sábados!

PROMOÇÃO NOVEMBRO AZUL!

REDE SKY! APOIO NA TRANSMISSÃO FESTA DE SÃO SEBASTIÃO 2018

REDE SKY! APOIO NA TRANSMISSÃO FESTA DE SÃO SEBASTIÃO 2018
APOIO NA TRANSMISSÃO FESTA DE SÃO SEBASTIÃO 2018 EM FULL-HD

Postagem em destaque

JOVEM FOI ASSASSINADO COM VÁRIOS TIROS, EM POÇÃO-PE

TEMPO EM JATAÚBA - PE

terça-feira, 13 de junho de 2017

Mãe e filhas são suspeitas de matar professora no Litoral Norte de PE

Familiares de vítima protestaram

Uma mulher e suas duas filhas, de 12 e 16 anos, são suspeitas de matar a professora Maria Nazaré de Aquino, de 38 anos, moradora de Itamaracá, no Litoral Norte de Pernambuco. Parentes e amigos da professora morta realizaram um protesto na manhã desta segunda-feira (12), em frente à delegacia de Itamaracá, para cobrar Justiça.

Maria Nazaré era professora da Escola Municipal Dulce da Costa Lima. Na madrugada da última sexta-feira (9), após passar a noite bebendo, Nazaré foi com o companheiro em Igarassu, onde foi morta. Parentes contaram que ela morava com o ex-marido da suspeita há cerca de nove meses. Eles dizem que Nazaré andava recebendo mensagens da suspeita ameaçando-a de morte.


Familiares de vítima protestaram

“A gente recebeu a denúncia de que ela estaria com as filhas em um lugar de Igarassu e encaminhamos a informação para a polícia, que foi lá e pegou ela. De lá fomos para DHPP [Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa], mas liberaram ela, mesmo com a menina de 16 anos batendo no peito e dizendo que tinha sido ela e que faria de novo”, afirmou Cláudio José de Aquino, 56 anos, irmão da vítima. A revolta dos parentes é porque as três suspeitas foram liberadas por não terem sido encontradas em flagrante nas 24h após o crime. 

O protesto só acabou quando Roberto Geraldo, titular da Delegacia de Itamaracá, informou que será pedida, ainda nesta segunda-feira (12), a prisão preventiva da suspeita. Ele disse que o delegado Vitor Melo, do DHPP, ficará responsável pela investigação e não deu outros detalhes sobre o caso.

*Os nomes das envolvidas no caso foram omitidos em respeito ao Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA).




FOLHA PE






Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio