Promoção Magazine Luiza e Você

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !
Aulas durante a semana e aos sábados!

PROMOÇÃO NOVEMBRO AZUL!

REDE SKY! APOIO NA TRANSMISSÃO FESTA DE SÃO SEBASTIÃO 2018

REDE SKY! APOIO NA TRANSMISSÃO FESTA DE SÃO SEBASTIÃO 2018
APOIO NA TRANSMISSÃO FESTA DE SÃO SEBASTIÃO 2018 EM FULL-HD

TEMPO EM JATAÚBA - PE

sexta-feira, 23 de junho de 2017

Fraude: Empresários, pessoas já falecidas e servidores recebiam Bolsa Família em Belo Jardim, PE


Assim que o ex-prefeito de Belo Jardim, no Agreste de Pernambuco, foi cassado e teve que deixar o cargo, muitas irregularidades foram descobertas. Uma das mais graves já faz parte de uma investigação do Ministério Público de Pernambuco desde 2016 e que só recentemente veio à tona.

A denúncia envolve a inclusão indevida de pessoas no cadastro do Bolsa Família. Segundo a investigação, mais de 1.300 pessoas receberam o benefício indevidamente nos últimos anos, entre elas 258 empresários do município, uma dezena de falecidos e outros servidores públicos. Em comum, eles não se enquadram no perfil dos beneficiários.

A quantia paga para os empresários chega a ultrapassar os R$ 1,2 milhão. Outros R$ 40 mil correspondem a soma paga a falecidos e ainda tem a lista com servidores públicos municipais (cujo valor não foi possível de ser levantado até o fechamento dessa matéria).

Desde que a fraude foi descoberta pela nova gestão, a Secretaria de Ação Social do município deu início ao bloqueio no sistema de todas as pessoas citadas no inquérito do Ministério Público. O número é tão grande que até o momento, a pasta ainda não concluiu todos os bloqueios.

O primeiro alerta das irregularidades foi feito ainda no dia 31 de agosto de 2016. A recomendação da Procuradora da República Natália Lourenço Soares foi de que fossem revisados todos os cadastros sob suspeita e que, aqueles que não se enquadrassem no perfil, fossem imediatamente excluídos.

Diante do não cumprimento da recomendação, um segundo documento extrajudicial foi emitido em 11 de novembro de 2016, no qual a mesma procuradora insiste, considerando diversas irregularidades, como “ser ilegal o pagamento do Programa Bolsa Família a pessoas falecidas” e “a condição do recebedor do benefício como proprietário ou responsável por mais de uma empresa também [é] um dado revelador de capacidade econômico-financeira”.

Entretanto, as pessoas continuaram a receber os benefícios normalmente. Para se ter uma ideia, na lista feita pelo Ministério Público, figuram pessoas com um único CNPJ mas com dois números de NIS, o Número de Identificação Social, e que receberam até dois benefícios simultaneamente.

Os valores por empresário variam muito. O acumulado de A.C.S. chega a R$ 28.836. Já o de M.E.S.O. bate os R$ 15.260, enquanto o de G.F.S. foi de R$12.758. As cifras passeiam na maioria das vezes na escala do milhar, sendo possível identificar recebedores que vão de R$ 79, passando por 5 mil, 9 mil, 11 mil etc.

Outra lista irregular é a dos mortos. Os falecidos também "receberam" Bolsa Família em Belo Jardim. M.M.B, por exemplo, faturou postumamente R$ 9.887. Já D.J.S. teria recebido R$ 8.390.

Assim que essas recomendações do Ministério Público foram encontradas engavetadas na Secretaria de Ação e Desenvolvimento Social seguiram imediatamente para a Procuradoria do Município, que acompanha de perto a exclusão desses beneficiários irregulares. A expectativa é que eles sejam totalmente excluídos do sistema ainda esta semana.

O prejuízo aos cofres públicos pode ser muito maior, uma vez que a lista com servidores municipais que também recebiam ilegalmente o Programa Bolsa Família, está de posse da procuradoria e ainda não foi somada até o fechamento dessa matéria. 







ASCOM  - PREF. BELO JARDIM

Blog Se Liga BJ
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio