Promoção Magazine Luiza e Você

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !
Aulas durante a semana e aos sábados!

PROMOÇÃO NOVEMBRO AZUL!


Toda Loja em até *10x no Cartão Tel. (81) 3746-1412/98275-4999

Postagem em destaque

Petrobras reduz preços da gasolina e do diesel a partir desta sexta

TEMPO EM JATAÚBA - PE

sexta-feira, 23 de junho de 2017

BOLSONARO CRITICA PAULO CÂMARA POR EXPULSÃO DE PMS: “MILITAR NÃO É ESCRAVO”




Após a expulsão de três dirigentes de associações de policiais militares pelo Governo de Pernambuco, o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) saiu em defesa deles, criticando o governador Paulo Câmara (PSB). “Os governadores não podem se prevalecer da disciplina dos militares para subjugá-los. O militar não é um escravo deles”, afirmou o parlamentar em vídeo publicado pela página Direita Pernambuco nesta quinta-feira (22).

A punição contra o presidente da Associação dos Cabos e Soldados, Albérisson Carlos da Silva, e o vice da entidade, Nadelson Leite Costa, além do sargento Glaudstony Wanderley Galvão, foi publicada no último sábado (17).

Os dirigentes foram punidos por tecer críticas e “comentários desonrosos” ao então secretário Alessandro Carvalho – que deixou o cargo em outubro do ano passado, devido aos altos índices de violência no Estado – e a Paulo Câmara em vídeos divulgados nas redes sociais. Eles respondiam a processos administrativos e chegaram a ser presos em dezembro do ano passado, durante uma assembleia da categoria sobre as negociações salariais, já que a realização da reunião estava proibida pela Justiça porque policiais não podem decretar greve. A expulsão deles gerou críticas da oposição à gestão socialista.

Para Bolsonaro, a expulsão dos três policiais militares foi “truculenta”. “Eles foram excluídos no grito. Se alguém quer excluir um praça, um oficial, que tente fazer isso, mas dentro da legalidade, não dessa forma”, disse o deputado no vídeo.

A Associação de Cabos e Soldados pediu que a Secretaria de Defesa Social (SDS) reconsidere a decisão. Os advogados da entidade acusam a Secretaria de Defesa Social de não intimar os dirigentes para apresentar alegações finais. Para Alberisson Carlos, a punição é uma forma de “perseguição política”.

(Do Blog de Jamildo)
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio