Promoção Magazine Luiza e Você

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !
Aulas durante a semana e aos sábados!

PROMOÇÃO NOVEMBRO AZUL!

REDE SKY! APOIO NA TRANSMISSÃO FESTA DE SÃO SEBASTIÃO 2018

REDE SKY! APOIO NA TRANSMISSÃO FESTA DE SÃO SEBASTIÃO 2018
APOIO NA TRANSMISSÃO FESTA DE SÃO SEBASTIÃO 2018 EM FULL-HD

TEMPO EM JATAÚBA - PE

terça-feira, 23 de maio de 2017

Vazão da transposição diminui e Açude de Boqueirão passa a receber menos água


O presidente da Agência Executiva de Gestão das Águas da Paraíba (Aesa), João Fernandes, confirmou que houve uma queda da vazão na chegada das águas da transposição em Monteiro, o que acarreta a diminuição da entrada de água no açude de Boqueirão.

Em entrevista nesta segunda-feira, 22, João afirmou que o problema já foi comunicado ao Ministério da Integração Nacional. Segundo ele, a vazão que estava em 7,8 mil litros por segundo caiu para 5,8 mil litros por segundo.

– Nós já comunicamos ao ministério de que na última sexta-feira a vazão caiu para 5,8 mil litros por segundo e isso diminui, de certo modo, a chegada das águas em Boqueirão. Espero que hoje a vazão já esteja restabelecida. Todos sabem que nós esperávamos a vazão de 9 metros cúbicos por segundo, mas nunca conseguimos isso. Claro que é uma obra grande, o governo está antecipando a entrega da obra e todos precisam ter consciência de que é uma obra difícil. Porém, precisamos de uma constância e um volume razoável de água para que possamos cumprir o calendário estabelecido em Campina Grande – pontuou.

João também afirmou que nesse domingo, 21, o volume de Boqueirão já passou de 20 milhões de metros cúbicos, o que corresponde a 4,8% da capacidade do manancial, aumentando em cerca de dois metros a lâmina de água do açude.

Em relação ao fim do racionamento em Campina Grande, João ponderou que o prazo de 60 a 90 dias está mantido.

– Nos foi prometido 9 metros e se está chegando 5,8 metros são quase três metros de diferença. Não é tarefa fácil por conta disso, mas estou convencido de que o governo está atento e trabalhando. Espero que, a depender da nossa intervenção e acompanhamento, ele (governo federal) tem que cumprir isso para que possamos libertar Campina Grande e região das restrições que estão sofrendo – frisou.

Ele reforçou, por fim, que a fiscalização da Aesa continua e que dois drones estão ajudando a monitorar as áreas da transposição e evitar o furto de água.


Paraíba Online
Foto reprodução


Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio