Promoção Magazine Luiza e Você

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !
Aulas durante a semana e aos sábados!

REDE SKY! APOIO NA TRANSMISSÃO FESTA DE SÃO SEBASTIÃO 2018

REDE SKY! APOIO NA TRANSMISSÃO FESTA DE SÃO SEBASTIÃO 2018
APOIO NA TRANSMISSÃO FESTA DE SÃO SEBASTIÃO 2018 EM FULL-HD

Postagem em destaque

CEC "COMPLEXO EDUCACIONAL DO CARIRI, EM MONTEIRO-PB

TEMPO EM JATAÚBA - PE

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Lula e Mantega pediram ajuda para 'Carta Capital', dizem delatores

O ex-presidente Lula ao lado de Guido Mantega em evento no Palácio do Planalto, em 2010


Resultado de imagem para lula e A CARTA CAPITALEmílio Odebrecht e seu filho, Marcelo Odebrecht, disseram em depoimentos que receberam pedidos para ajudar a revista "Carta Capital" e que o grupo aceitou fazer um empréstimo de R$ 3 milhões à publicação.

O montante foi providenciado pelo setor de operações estruturadas, que cuidava do pagamento de propina e de recursos de caixa dois do grupo. Pelo relato dos delatores, não foi um empréstimo formal.

Emílio afirma que recebeu um pedido de Lula para ajudar a publicação, enquanto Marcelo diz que o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega fez a mesma solicitação a ele. Segundo os delatores da Odebrecht, a dívida foi paga com espaço publicitário na revista.
Resultado de imagem para carta capital recebeu dinheiro da odebrecht

O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) e relator da Lava Jato, Edson Fachin, decidiu enviar o caso para procuradores de São Paulo apurarem se há alguma ilegalidade no empréstimo.

OUTRO LADO

A editora da "Carta Capital" diz em nota que, entre 2007 e 2009, a Odebrecht fez um adiantamento de publicidade no valor total de R$ 3,5 milhões à revista e diz tratar-se de uma operação normal no mercado, que não foi intermediada por ninguém.

"Naquele momento, a revista procurou vários anunciantes em busca de um reforço de caixa. O adiantamento foi negociado diretamente com a empresa por Mino Carta e Luiz Gonzaga Belluzzo, sócios da Editora Confiança, que edita a revista Carta Capital. Não houve interferência de ninguém a nosso favor."
Ainda segundo a nota, "o adiantamento foi pago da forma tradicional: por meio de anúncios e patrocínios de eventos".

A revista afirma que "não sabe e não tem obrigação de saber de onde vieram os recursos do adiantamento da verba de publicidade. Não existe carimbo em dinheiro e trata-se de má-fé acreditar que o investimento na revista saiu de um departamento de propina e o aplicado nos demais meios de comunicação tem origem lícita".

O Instituto Lula afirmou que o ex-presidente "não tem conhecimento do depoimento e não vai se manifestar".

O advogado José Roberto Batochio, que defende Mantega, diz que os depoimentos não são críveis porque contêm uma contradição. "Quem é que pediu a contribuição? É Jesus ou é Genésio. Um dos dois está enganado. O Lula e o Mantega sempre negaram que fizeram esse pedido".

O que é o caixa 2?

INVESTIGAÇÃO

O ministro Edson Fachin determinou a abertura de inquérito contra oito ministros do governo Michel Temer (PMDB), 24 senadores e 39 deputados federais. Serão abertas 76 investigações pedidas pela Procuradoria-Geral da República após as delações da Odebrecht.

Entre os citados estão os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), e do Senado, Eunício Oliveira (PMDB). Dois dos principais aliados de Temer, Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secreraria-Geral), também estão na lista, que abrange ainda os senadores Romero Jucá e Renan Calheiros, do PMDB, e Aécio Neves (PSDB).

No total a relação tem 98 nomes e inclui três governadores e um ministro do Tribunal de Contas da União. Algumas suspeitas da Procuradoria são corrupção, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro, fraude e cartel. Fachin remeteu 201 outros casos a tribunais de instâncias inferiores envolvendo citados sem foro no Supremo –entre os mencionados estão os ex-presidentes Lula, Dilma Rousseff e Fernando Henrique Cardoso.

Os inquéritos iniciam longo trâmite. Investigarão o teor das delações, que precisarão de provas adicionais para tornar-se efetivas. Ainda há as fases de denúncia e do processo, com ampla defesa, antes do julgamento.

A "Odebrecht ajudou financeiramente outros veículos, mas no caso da Carta Capital o pedido não era feito por representantes da revista, e sim por Lula".
Assista:





Por FOLHA DE SÃO PAULO - O ANTAGONISTA 

Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio