Promoção Magazine Luiza e Você

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !
Aulas durante a semana e aos sábados!

PROMOÇÃO NOVEMBRO AZUL!

REDE SKY! APOIO NA TRANSMISSÃO FESTA DE SÃO SEBASTIÃO 2018

REDE SKY! APOIO NA TRANSMISSÃO FESTA DE SÃO SEBASTIÃO 2018
APOIO NA TRANSMISSÃO FESTA DE SÃO SEBASTIÃO 2018 EM FULL-HD

TEMPO EM JATAÚBA - PE

domingo, 12 de março de 2017

NA VENEZUELA NÃO HÁ COMIDA, BRASIL SIM: FUGA DA FOME

Imigrantes venezuelanos no Brasil
Indígenas venezuelanos no abrigo improvisado em Boa Vista. (Foto: LEONARDO COSTA )

El País - Marina Rossi
“En Venezuela no hay comida. ¿Cómo se dice aquí en Brasil? ¿Obrigado? Obrigado, porque aquí en Brasil hay comida”. 
Amontoados debaixo de uma árvore que os protegia da chuva, indígenas da etnia Warao, a segunda maior da Venezuela, faziam um gesto de agradecimento ao prefeito Juliano Torquato (PRB), da pequena cidade de Pacaraima, em Roraima. Ali, em um terreno ao lado da rodoviária, está vivendo um grupo de cerca de 30 indígenas, dentre eles muitas crianças. Dormem no chão, vivem de doações entre cachorros, moscas, brinquedos jogados. Comem quando há comida. E, ainda assim, agradecem.
Imagem relacionada
Com inflação a 64%, pacote com 36 camisinhas é vendido por mais de R$ 2.000 na Venezuela
salário mínimo na Venezuela equivale a R$ 2.108 - apenas R$ 40 a mais do que o pacote de preservativos.
De acordo com a revista Time, o mesmo produto custa US$ 21 (R$ 58) nos EUA. Os poucos venezuelanos que contam com acesso à moeda americana podem comprar as camisinhas por US$ 25 no mercado negro. No Brasil, um produto similar (cinco pacotes com oito unidades de preservativos) custa em torno de R$ 37.
001
O Ministro da Agricultura e Terras, Wilmar Castro Soteldo, afirmou que iria analisar a estrutura de custo do leite, carne e do açúcar para desenvolver um plano para diminuir os custos de produção, segundo a Agência de Notícias da Venezuela. A escassez de produtos no país tem contribuição para a disparada da inflação. Segundo o banco central venezuelano publicou em janeiro de 2016, a alta dos preços em 12 meses atingiu 141% em setembro. Projeções do FMI (Fundo Monetário Internacional), no entanto, são ainda mais pessimistas. De acordo com o fundo, de inflação em 2015 girou em torno de 160%, a maior do mundo, e deverá chegar a 720% em 2016.
Resultado de imagem para preço da comida na venezuela
Infelizmente, nossos vizinhos declararam oficialmente estado de emergência no início de 2016. Mas afinal, vocês tem uma noção de quanto custa as coisas por lá? Um leite em pó aqui no Brasil custa entre 10 e 18 reais, mas com a escassez extrema na Venezuela, quanto custa um leite em pó lá? Acreditem vocês ou não, um leite em pó na Venezuela custa em torno de 700 dólares, que convertendo para o real dá em torno de 2.274,25. Quantas coisas poderíamos comprar com R$ 2.274,25 além de uma lata de leite em pó?
002
O preço da farinha de milho no Brasil pode variar entre 1,50 e 3 reais. No EUA, pode chegar a custar 9 dólares. Na Venezuela, um pacote de farinha de milho custa em torno de 301.50 dólares, o que daria 979,12 reais. Muito dinheiro, não? Para vocês terem uma ideia, 1 pacote de de farinha de milho na Venezuela daria para comprar 120 pacotes nos EUA.
2
É, pelo preço da farinha de milho e do leite em pó dá para ter uma noção da crise no país, certo? Agora imaginem pagar 129 reais em uma melancia? Bom, isso se você encontrar uma melancia por lá. Sim, as coisas estão realmente complicadas por lá, e a inflação está prevista para crescer cerca de 2.200 por cento até o final do ano de 2017. Por enquanto, uma caixa de ovos por lá está custando 150 dólares, que convertido para o real dá cerca de 487,12 reais. Um omelete lá deve valer uma verdadeira fortuna.
003
E aí amigos, já sabiam quais os preços da Venezuela? Acharam os preços abusivos? Sim ou claro?  Pois, esse é o governo defendido por Lula e Dilma.
Resultado de imagem para grupo de indios vivem debaixo de arvore na venezuela
Esse pequeno grupo de indígenas forma parte de um fluxo de imigrantes venezuelanos, que também é feito de não indígenas, que atravessam a fronteira em busca de alimentos, empregos e melhores condições de vida no Brasil. Muitos não querem mais voltar ao país de origem. 
A maioria chega pelo pequeno município de Pacaraima, com 16.000 habitantes, e depois seguem para a capital Boa Vista. Entre os indígenas, o movimento, na maioria dos casos, implica em ir para as cidades, receber doações, ganhar dinheiro com o artesanato e a mendicância, e depois voltar para sua comunidade. Já os não indígenas buscam se regularizar no Brasil, trabalhar e começar uma nova vida longe da escassez da Venezuela.

Ambos os casos têm em comum a fuga da fome.
Essa é o governo da Venezuela que o PT (Lula e Dilma) defendem e apoiam.

Imagem relacionadaResultado de imagem para lula dilma e nicolas maduro



Por 
Blog do Magno Martins 

Informações/Reportagens
Valor Econômico
Repórter de Internacional no HuffPost Brasil
Uol Notícias

Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio