Promoção Magazine Luiza e Você

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !
Aulas durante a semana e aos sábados!

PROMOÇÃO NOVEMBRO AZUL!


Toda Loja em até *10x no Cartão Tel. (81) 3746-1412/98275-4999

Postagem em destaque

Petrobras reduz preços da gasolina e do diesel a partir desta sexta

TEMPO EM JATAÚBA - PE

sábado, 18 de fevereiro de 2017

Antônio Campos quer PF nas investigações

Imagem relacionada

Após prestar queixa à Polícia Civil, na última segunda, alegando ser vítima de "reiteradas ameaças, perseguições e arapongagens" - que atribui à retaliação política de pessoas próximas ao Governo do Estado - , o advogado Antônio Campos, que deixará o PSB em março, solicitou que o processo seja remetido, também, à Polícia Federal.

A razão do pedido tem como motivo o fato da da ministra do Tribunal de Contas da União, Ana Arraes, ser citada - segundo o advogado - em uma das conversas do ex-presidente da Ceasa, o empresário Romeu Pontual, a quem Campos atribuí ser responsável pelos atos contra sua pessoa. O pedido de Campos foi registrado na Delegacia do Cordeiro e, nele, o denunciante registra que soube da atuação de Romero por meio de um cliente. 
Ana Arraes
Federalização do caso foi pedido devido ameaça a AnaAlém da citação de Ana Arraes, que é mãe de Campos, por Romero, outro episódio envolvendo a ministra motivou a solicitação para que investigação fosse enviada à PF. Neste caso, Campos alega que houve tentativa de obtenção da senha do Gmail de Ana Arraes. O caso data de 16 de janeiro passado, quando a própria ministra solicitou ao presidente do TCU, Raimundo Carreiro, a abertura de investigação sobre a invasão da conta do seu e-mail.
No documento, a ministra explica que em 16 de janeiro passado, foi ao escritório do filho, no Recife, para imprimir um bilhete aéreo da sua conta do Gmail. E que na ocasião, observou “uma funcionária ao seu lado, olhando firmemente para o teclado que usava”.
A ministra também afirmou, no documento, que pouco tempo depois foi surpreendida por uma mensagem de segurança do Gmail informando uma tentativa de acesso à conta de email em um computador diferente do que costuma utilizar.

De acordo com o documento, ao dar conhecimento ao filho do ocorrido, soube que a funcionária havia sido afastada por ter sido “reiteradamente flagrada em condutas estranhas e inexplicáveis”, nas palavras de Antônio Campos. Diante disso, a ministra solicitou que o TCU verifique o “acesso indevido”.

Da: FOLHA PE
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio