Promoção Magazine Luiza e Você

REDE FÁCIL CONSTRUÇÃO JATAÚBA

REDE FÁCIL CONSTRUÇÃO JATAÚBA
1° FEIRÃO DO ANO

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !
Aulas durante a semana e aos sábados!

APOIO: REDE SKY

APOIO: REDE SKY
PARCERIA NOS EVENTOS

TEMPO EM JATAÚBA - PE

sábado, 15 de outubro de 2016

POLÍCIA FEDERAL REALIZA APREENSÃO RECORDE DE ECSTASY NO ESTADO DE PERNAMBUCO E PRENDE SUSPEITA POR TRÁFICO INTERNACIONAL

material-apreendido

A Polícia Federal em Pernambuco autuou em flagrante no dia 13/10/2016 por volta das 0:15h, CAMILA SCHAEDLER PEDROSO, solteira, 30 anos, psicóloga e massoterapeuta, natural de Tuparendi/RS e residente em Florianópolis/SC-(não possui antecedentes criminais). A prisão aconteceu durante fiscalização de rotina destinada a reprimir o tráfico internacional de entorpecentes no Aeroporto Internacional dos Guararapes – Gilberto Freyre. Os Policiais Federais desconfiaram da suspeita em virtude do seu nervosismo, impaciência e inquietação quando foi selecionada para passar por uma entrevista prévia na sala de imigração da Polícia Federal e também pelo peso fora do normal de sua bagagem.
camila
A ação teve seu desfecho final quando a equipe de policias federais diante de suas respostas imprecisas solicitou a sua bagagem afim de que fosse feita uma vistoria e busca minuciosa com o apoio operacional da Receita Federal a fim de que as suas duas malas que estava transportando fossem submetidas ao aparelho de raio x, onde ficou constatado a existência de um fundo falso bem como imagens de diversos comprimidos envoltos em embalagem retangulares. Diante da constatação da mala foi aberta e constatou-se a existência de milhares de comprimidos de ecstasy que ao total resultou um peso bruto de 11,5kg e cerca de 30.800 (trinta mil e oitocentos comprimidos). Terminado os trabalhos investigativos e tendo sido toda a droga encontrada a suspeita recebeu voz de prisão em flagrante foi informada dos seus direitos e garantias constitucionais, onde acabou sendo autuada pela prática do crime contido no artigo 33 e 40, inciso I da Lei nº 11.343/2006 (tráfico internacional de drogas) e caso seja condenada poderá pegar penas que variam de 5 a 20 anos de reclusão. Após a autuação, a presa realizou Exame de Corpo de Delito no IML-Instituto de Medicina Legal, em seguida encaminhada para a audiência de custódia e posteriormente foi recambiada para o Colônia Penal Feminina, onde ficará à disposição da Justiça Federal/PE. 
Além da droga também foram apreendidas passagens aéreas, passaporte, 01(um) celular, R$ 1.400 (mil e quatrocentos reais), além de € 400 (quatrocentos euros – cerca de R$ 1.400 reais)

Em seu interrogatório a presa informou que viajou para a Europa saindo do país pelo Rio de Janeiro/RJ no dia 17/09/2016 com destino à Lisboa já sabendo que no seu retorno traria drogas para o Brasil, porém não deu detalhes da pessoa que a havia aliciada para fazer o transporte da droga pelo preço de R$ 40 mil reais. 

Disse também que havia recebido R$ 7.500 reais e alguns valores em euros para custear a compra de sua passagem e despesas com a viagem. Que ao chegar em Lisboa ficou por lá durante 5 dias, depois viajou para Amsterdam na Holanda onde pegou todos os comprimidos de ecstasy que já estavam devidamente escondidos em suas duas malas. 

A sua viagem de retorno incluía Recife/PE onde pegaria um ônibus para Brasília/DF e de lá embarcaria novamente num ônibus com destino final em Florianópolis/SC, local onde todo o carregamento de ecstasy seria entregue a uma pessoa que entraria em contato por telefone celular (não soube informar quem seria tal pessoa). Por fim informou que se aventurou a fazer o transporte da droga de Amsterdã para o Brasil em virtude de sua genitora se encontrar doente e por estar passando por situação financeira muito difícil. 

O ECSTASY é uma droga sintética também conhecida como bala ou pastilha, muito utilizado em festas raves de música eletrônica. Consumidores dessa droga pode apresentar perturbações mentais e comportamentais, dificuldade de tomar decisões, ataques de pânico, depressão profunda, paranoias, alucinações, despersonalização, impulsividade, perda do autocontrole e morte súbita por colapso cardiovascular. O uso de ecstasy ligado à intensa atividade física (dançar por várias horas) pode causar aumento da temperatura corporal.

Com Informações Polícia Federal/PE
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio