Promoção Magazine Luiza e Você

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !

SEU FUTURO COMEÇA AQUI !
Aulas durante a semana e aos sábados!

PROMOÇÃO NOVEMBRO AZUL!


Toda Loja em até *10x no Cartão Tel. (81) 3746-1412/98275-4999

TEMPO EM JATAÚBA - PE

terça-feira, 12 de julho de 2016

GRÁVIDA BALEADA NA CABEÇA NO PR RESPIRA COM AJUDA DE APARELHOS

Thaysa Vilas Boas, de 22 anos, está internada na UTI do hospital Norospar.
Crime ocorreu na tarde de segunda-feira (11), em Tapejara.




Thaysa está internada em estado grave (Foto: Ádina Sabrina/Arquivo pessoal)
Thaysa está em coma e respira com ajuda de
aparelhos (Foto: Ádina Sabrina/Arquivo pessoal)
O estado de saúde da jovem Thaysa Vilas Boas, de 22 anos, que levou um tiro na cabeça, em Tapejara, no noroeste do Paraná, é considerado grave. Segundo boletim médico divulgado nesta terça-feira (12) pelo hospital Norospar, em Umuarama, Thaysa está em coma e respira com ajuda de aparelhos.
O crime ocorreu na tarde desta segunda. A vítima, que estava grávida de sete meses, foi levada em estado crítico para o hospital logo depois de ser atendida em uma unidade de saúde de Tapejara. Os médicos fizeram um parto de emergência e retiraram o bebê, uma menina.

Segundo a família de Thaysa, o estado da jovem é muito crítico e preocupante, mas a criança passa bem.

Crime
Thaysa foi baleada no bairro São Vicente, logo depois do almoço, segundo a polícia. O ex-namorado da vítima e pai da criança, Renato Umbelino da Rocha, de 23 anos, chegou a ser preso como suspeito de ter cometido o crime, mas foi liberado horas depois por falta de provas.


A Polícia Civil afirma que a jovem já havia registrado boletins de ocorrência por ameaça e lesão corporal contra Renato, mas em todas as vezes não quis representar contra o ex-companheiro.
Pessoas próximas ao casal, porém, relatam que eles pareciam se tratar bem e que o homem havia comprado roupas e objetos para a filha.

A Polícia Civil informou que nenhuma testemunha quis prestar depoimento sobre o caso. Até as 10h, o G1 não havia conseguido localizar o advogado de Renato Umbelino da Rocha para comentar o caso. 
Compartilhar:
←  Anterior Proxima  → Inicio